17 de nov de 2010

Novembro até então

Muita aconteceu em duas semanas. Apresentações, conquistas e encontros.

Giovanna Hernandes

No dia primeiro de novembro tivemos evento no espaço. Rolaram apresentações de cenas e improvisos, som ao vivo e samba-rock pro povo se divertir. Na verdade não eram bem cenas. Eram depoimentos, resultados de estudos e práticas da Oficina de Interpretação. Neste dia foram cinco partipantes da oficina que se apresentaram: Talita Lanças, Rodrigo Ribeiro, Giovanna Hernandes, Guilherme Mendez e Juliana Spadot.

Rodrigo Ribeiro

Os improvisos ficaram por conta do Núcleo de Improviso. Mas nenhuma das fotos que eu tirei ficaram boas, infelizmente. Na sequência rolou som ao vivo com o Henrique Rabadan, tocando suas músicas, parcerias e de amigos, acompanhado do Fernando Basseto.

Rosângela Oliveira

Outros depoimentos da Oficina de Interpretação foram apresentados no domingo seguinte, dia 7, lá no Caleidoscópio. Pra quem não sabe, o Caleidoscópio é um evento realizado semestralmente no Sítio Beira Serra onde rola de tudo: teatro, música, circo, dança, artesanto e várias outras paradas. Neste dia se apresentaram Rosângela Oliveira, Lélis Luciano e Bruna Balbi.

Bruna Balbi


Alguns depoimentos não puderam ser apresentados, mas começamos nos nossos estudos um trabalho com cenas em duplas que deverão ser apresentadas em dezembro, dia doze. No mesmo dia o pessoal da Oficina de Iniciação deverá também marcar presença, com algumas cenas de conclusão do processo.

Por falar nisso, neste ano temos uma novidade na nossa apresentação de conclusão das atividades do semestre. Tradicionalmente realizamos essa mostra de cenas com o nome "Notívagos Burlescos: Ativar!!!", mas desta vez vamos experimentar algo diferente. A apresentação será realizada em parceria com a Oficina da Dança, portanto teremos cenas e coreografias. Em breve mais detalhes.



Na semana passada, finalmente saiu o resultado: A Associação Teatral Notívagos Burlescos foi uma das seis entidades de Botucatu selecionadas para integrar a rede nacional de Pontos De Cultura! Serão três anos de convênio com o Ministério da Cultura e Prefeitura Municipal de Botucatu, onde poderemos ampliar e melhor estruturar nossas atividades e nosso espaço! Uma conquista que nos permitirá alçar novos vôos, atendendo um número maior de participantes de oficinas e espectadores e criando espetáculos que atendam a demanda artística de Botucatu e de outras cidades da região.
Nas próximas semanas o contrato deve ser assinado e em janeiro teremos muito trabalho pela frente. Um trabalho delicioso e muito almejado!


No último sábado onze de nós acordamos muito cedo para pegar um ônibus rumo a Mostra Ademar Guerra 2010.

Talita, Carol, Fernando, Danilo, Luan, Rose, Guilherme e Giovanna na Barra Funda.



A mostra foi um grande encontro dos 29 grupos participantes do projeto e seus respectivos orientadores, concluindo as ativades do projeto neste ano de 2010. O palco mais uma vez foi a Oficina Oswald de Andrade e a programação foi intensa.



No sábado a tarde, após a abertura, tivemos um debate sobre dramaturgia com a presença de Lauro Cesár Muniz, Grace Passô e o figura que eu não consigo lembrar o nome e nem tenho onde ver porque perdi minhas anotações no último dia.



Na parte da noite rolou o DCC, Dramaturgia Concisa e Contemporânea, um encontro aleatório entre dramaturgos e atores organizado pela Cláudia Shapira e a Ana Roxo do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos. O lance funciona mais ou menos assim: Dramaturgos podem se increver com texto prontos, de no máximo dez minutos, ou para escrever uma cena curta. Atores podem se inscrever para ler os texto. Rolam os sorteios e, enquanto os sorteados para escrever tão escrevendo, vão sorteando cenas prontas para ser lidas. A Rose foi uma das atrizes sorteadas e leu uma cena bem legal, onde ela destruía a estátua da Mulher-Maravilha no museu de cera de Nova York.

Cia. Mênades e Sátiros de Presidente Prudente

O domingo foi todo dedicado a apresentação de cenas, fragmentos e performances dos grupos participantes, num grande mosaico da produção teatral do interior do estado. Divididos em quatro rodadas os grupos apresentavam seus trabalhos pelas salas, corredores, pátios, muros e calçadas da Oficina Oswald de Andrade. Muita coisa legal e interessante.





Os Notívagos não apresentaram exatamente uma cena. Não sei ao certo dizer se era uma performance ou uma instalação. Mas foi a maneira que encontramos de cada um compartilhar suas impressões sobre o que significaram nossas descobertas e redescobertas neste ano. A apresentação e interação com o público trouxe novas idéias e despertou o desejo de investigar um pouco mais essa linguagem.



Mesmo depois da festinha que rolou na Sede Luz do Pessoal do Faroeste na noite do domingo, todas as 280 pessoas que participavam do encontro estavam lá na segunda de manhã para participar do debate sobre a vida teatral no interior do estado com presença dos medalhões Cláudio Mendel, Jorge Vermelho e Roberto Gil Camargo. E nos tornamos doze com a chegada do Rodrigo, que não pode participar do encontro todo porque tinha vestibular no domingo.

Todos nós e nosso orientador Rudifran Pompeu

A tarde de segunda foi um momento de avaliação, celebração e despedida. Três dias de muitas trocas, compartilhamentos, percepções e descobertas. Ter a oportunidade de conhecer outras pessoas que também fazem teatro pelo interior do estado e trocar figurinhas é uma coisa fantástica. Se no lugar de festivais competitivos tivéssemos encontros desse tipo todo mundo sairia ganhando. Muitos ficaram com a sensação de que mais encontros são necessários. Seja pelo Projeto Ademar Guerra, seja por inciativa dos próprios grupos.